menu
-Agenda Cultural
-Restaurantes
-Teatros
-Museus
-Comentários
-Fale conosco
-Política de Privacidade
-Utilidade Pública
-Links Feirense
-Artes Cênicas
-Artes Visuais
-Artesanato
-Bandas
-Literatura
-Músicos
ENTRETENIMENTO
-Cinema
-Arquivo de Eventos
-Festival Vozes da Terra
-Festival Gospel 2010
-Natal na Praça 2010
-Micareta 2011
-Últimos Eventos
-Radio Viva Feira
-TV Viva Feira
-Videos Viva Feira
COLUNISTAS
-Beto Souza
-Dr. Ed Forró
-Emanoel Freitas
-Fabiana Machado
-Luís Pimentel
-Maiara Santos
-Raymundo Luiz Lopes
-Sandra Campos
-Sandro Penelú
-Silvana Carneiro
 
 
 
SEMANA DA BIBLIOTECA E DA CONSCIÊNCIA NEGRA MOVIMENTAM A UniFTC


Publicado em: 25/11/2019 - 10:11:03
Fonte: Release da Ascom da FTC - Madalena de Jesus


    Você já leu um livro hoje? A pergunta, aparentemente despretensiosa, na verdade é um convite para visitar a exposição literária que está sendo realizada pela Biblioteca da UniFTC Feira de Santana e quem sabe até ganhar um dos exemplares de romance ou contos. A Semana da Biblioteca e da Consciência Negra, aberta oficialmente segunda-feira (18) e encerrada nesta quinta-feira (21), com uma vasta programação, que incluiu ainda workshop, oficina e apresentações culturais.
    Um dos destaques do evento, que envolve ainda os cursos de Enfermagem, Educação Física e Direito, é o Projeto Afrobrasilidades, que movimentou a noite desta quarta-feira (20) com oficina de capoeira, apresentação de maculelê e samba de roda e produção de turbantes, tranças afro e corte de cabelo. Tudo isso em comemoração ao Dia da Consciência Negra, que também foi tema de workshop sobre “Racismo Estrutural” e “Consciência Negra e Vulnerabilidade Social”.
    Ao falar sobre a construção do conceito de raça, Bruno Silva, engenheiro civil e estudioso das questões étnicas, citou a filósofa alemã Hannah Arendt, que no livro As Origens do Totalitarismo defende a ideia de que o termo   raça surge “para tentar justificar as diferenças que existem entre os diversos grupos humanos”.  Segundo ele, do ponto de vista da estrutura genética só existe uma raça, a humana. “Mas, ainda assim, utilizamos a categoria raça como balística para pensar as relações sociais”, disse.
    “Pensando nos aspectos psicológicos que se correlacionam com o racismo estrutural, temos o processo de adoecimento psíquico de diversas pessoas negras, por conta do próprio racismo da sociedade, mais especificamente nos ambientes em que a desigualdade é mais identificada”, destacou Suellen Amaral, psicóloga e coordenadora do Núcleo Moverafro de Mulheres Negras. Ela falou ainda sobre o processo de normatização da branquitude, colocada como padrão de vida, enquanto os negros ocupam lugar de subalternidade.
    Já Juciara Santos, licenciada em Letras com Francês e também graduada em Psicologia, discorreu sobre a própria vivência, especialmente na vida acadêmica. “Nos sentíamos estrangeiros, pois mesmo nos cursos de menos prestígio era muito rara a presença do negro”, contou. Segundo ela, como mulher negra e trabalhadora, cursou a primeira graduação movida pela paixão pelas letras. Na segunda, uma constatação: “Psicologia é um curso de elite. “Na minha época nem se falava na questão racial”, ressaltou, parabenizando a iniciativa da Instituição em promover o evento.
    De acordo com o supervisor da Biblioteca, Makson de Jesus Reis, o elo entre os dois eventos foi a necessidade de promover uma discussão literária e acadêmica a respeito do racismo estrutural e suas implicações na sociedade. “Entendemos que a Biblioteca é o espaço ideal para debater questões que fazem parte da história, como os fatos relacionados à cultura negra”, afirmou o bibliotecário, destacando que a programação contemplou ainda atividades de incentivo à leitura.

Fotos



Apoio Cultural:



Viva Feira

Higienizar
© 2022 - Todos os direitos reservados - www.vivafeira.com.br