Fechar Página

Sandra Campos
    Sandra Campos nasceu em Feira de Santana-BA e formou-se em Pedagogia pela UEFS. Na universidade começou a escrever crônicas que eram lidas em algumas aulas. Voltou a escrever em 2013, por prazer pessoal. Em 2014 passou a publicar seus textos no jornal A Tribuna, de Rondonópolis-MT, cidade onde mora atualmente e desde 2015 é colunista do Viva Feira. A primeira crônica publicada em agosto de 2014, “O homem avulso”, já revelava as linhas de força de seu estilo: a escrita leve e espontânea, o lirismo e a intertextualidade, o olhar sutil e ao mesmo tempo agudo dos lances da vida. A crônica “Leve sua filha à feira”, escrita em janeiro de 2014, retrata a feira livre da Estação Nova, que ela costumava frequentar aos domingos com duas amigas de infância. Essa crônica leva o leitor a pensar na beleza e nas lições que não raro se ocultam sob a pseudobanalidade do cotidiano. A crônica que a autora considera a mais carregada de sentimentos e emoções, e também a mais comentada no site do jornal, é “A carta”, uma homenagem a sua mãe Celina. A cronista lançará em breve seu livro de estreia, “O homem avulso: crônicas e contos”, Editora Penalux. Aguardem.  (Texto: Marcelo Brito da Silva)



CRÔNICAS E OUTROS TEXTOS

Trocando os pés


Publicado em: 12/11/2017 - 15:11:41


Há um ditado popular que diz: “só se conhece alguém quando se come um quilo de sal junto”, mas o filme, “ Trocando os pés”, do diretor Thomas McCarthy, apresentou outra máxima repleta de reflexões: “Para se conhecer realmente um homem é necessário andar com os sapatos dele”. Às vezes, a ideia que o outro tem de você é tão distante do que você realmente é que, de fato, tentar “andar com o sapato do outro” é uma ótima maneira de conhecer de verdade quem é esse “outro”, o que permitirá emitir julgamentos mais justos.

O filme é uma comédia dramática que se passa em Nova York e tem Adam Sandler como Max Simkin, um sapateiro solitário e triste que vive uma vida monótona, sem sonhos nem objetivos futuros, que não gosta do que faz e sente o peso de manter-se no ofício que foi passado à quarta geração. Por meio de diálogos claros e de maneira leve o filme toca em assuntos delicados como sonhos, expectativas de vida e escolhas, permite ao expectador fazer outras reflexões que vão além dos preconceitos sociais embutidos no filme, como, por exemplo, o de que o homem solitário é um fracassado por completo: infeliz nos projetos pessoais, nos negócios e no amor.

Tudo muda quando Max descobre o poder mágico de uma máquina de costura antiga que era de seu avô. Depois de costurar o sapato na máquina mágica, ao experimentá-lo, Max adquire a aparência do dono do calçado, e por instantes vive a vida alheia. Se você pensa que fábulas existem para ensinar apenas crianças, mude de ideia, porque esta aparentemente inocente pode mexer com sua imaginação e fazê-lo repensar a própria vida, trajetória e opiniões sobre os “outros”.

Como posso falar se a comida do outro é boa ou ruim se jamais a experimentei? Quer falar com propriedade? Coma junto, ou melhor, calce o sapato da pessoa que fez a comida, arregace as mangas e ajude-a no preparo do alimento, depois coma junto com a pessoa, aí sim, poderá dizer, se tiver coragem, tête-à-tête, se sua comida é boa ou ruim. Afinal, você só conhece uma pessoa realmente quando anda com os sapatos dela. Que tal trocar os pés?



Fonte: Sandra Campos/A Tribuna/MT







Página de 26

| | | | |
Próxima ->

New Page 1

 

© 2009-2016 Viva Feira - Todos os direitos reservados