menu
-Agenda Cultural
-Restaurantes
-Teatros
-Museus
-Comentários
-Fale conosco
-Política de Privacidade
-Utilidade Pública
-Links Feirense
-Artes Cênicas
-Artes Visuais
-Artesanato
-Bandas
-Literatura
-Músicos
ENTRETENIMENTO
-Cinema
-Arquivo de Eventos
-Festival Vozes da Terra
-Festival Gospel 2010
-Natal na Praça 2010
-Micareta 2011
-Últimos Eventos
-Radio Viva Feira
-TV Viva Feira
-Videos Viva Feira
COLUNISTAS
-Beto Souza
-Cezar Ubaldo
-Emanoel Freitas
-Fabiana Machado
-Luís Pimentel
-Maiara Angels
-Raymundo Luiz Lopes
-Sandra Campos
-Sandro Penelú
-Silvana Carneiro
 
 
 
Até que ponto pode chegar a intolerância?

Porque ela insiste em existir?????
Publicado em: 16/02/2018 - 18:02:50
Fonte: Val Conceição


No minimo indignante, um fato que ocorreu hoje(31), no Mercado de Arte Popular em Feira de Santana/BA. Local que deveria ser reduto de artistas dos mais variados gêneros mas que infelizmente e erroneamente abriga também seres humanos que insistem em praticar o preconceito em todas as suas formas. Um garoto de apenas nove anos, que desde o seu nascimento, traz no sangue a sua vocação para a musica percussiva, que já teve inclusive a oportunidade de se apresentar com músicos e bandas de renome internacional como: Timbalada, Carlinhos Brown, Paula Sanffer, Denny Denan entre outros e tornou-se referencia entre jovens e velhos percussionistas da nossa cidade, foi chamado por um comerciante do Mercado de Arte Popular, comerciante esse que por coincidência ou não já tem um histórico de intolerância religiosa e cultural que lhe disse o seguinte:

".....esqueça essa coisa de bater tambor, ser percussionista não vai te levar a nada, você tem que estudar e não ficar perdendo o seu tempo com esse tipo de coisa, fazendo "zuada" e incomodando os outros". bastante chateado o garoto imediatamente procurou o seu mestre" a quem chama de pai" e com os olhos marejados e a voz embargada, relatou o ocorrido. Será que essa pessoa nunca ouviu falar de Antonio Carlos Santos de Freitas e o seu projeto PRACATUM, projetos como o NEOJIBÁPOMBA ERÊ CURUMIMCORAÇÃO BRASILEIROAFRO REGGAE entre outros? Será que essa pessoa não sabe que milhares de crianças são resgatadas do sub-mundo das drogas através da musica percussiva? Até quando iremos nos calar diante de situações como esta? Como deve ser o presente e como será o futuro dos filhos dessa pessoa? Futuros intolerantes?

 

Será que uma criança que nasce com o dom divino de tocar um instrumento não pode exercitar esse dom? ATÉ QUE PONTO PODE CHEGAR A IGNORÂNCIA HUMANA?

 

O Coletivo Moviafro é extremamente contra a toda e qualquer forma de preconceito, intolerância e discriminação.

 

Com a palavra, as Autoridades e os Órgãos Competentes!!!!!

 

Por Val Conceição




Apoio Cultural:



Arraial do Comércio
New Page 1

 

© 2009-2016 Viva Feira - Todos os direitos reservados