menu
-Agenda Cultural
-Restaurantes
-Teatros
-Museus
-Comentários
-Fale conosco
-Política de Privacidade
-Utilidade Pública
-Links Feirense
-Artes Cênicas
-Artes Visuais
-Artesanato
-Bandas
-Literatura
-Músicos
ENTRETENIMENTO
-Cinema
-Arquivo de Eventos
-Festival Vozes da Terra
-Festival Gospel 2010
-Natal na Praça 2010
-Micareta 2011
-Últimos Eventos
-Radio Viva Feira
-TV Viva Feira
-Videos Viva Feira
COLUNISTAS
-Beto Souza
-Cezar Ubaldo
-Emanoel Freitas
-Fabiana Machado
-Luís Pimentel
-Maiara Angels
-Raymundo Luiz Lopes
-Sandra Campos
-Sandro Penelú
-Silvana Carneiro
 
 
 
Canto, cacos, sapos de Natal


Publicado em: 25/12/2016 - 14:12:32
Fonte:


Digite e Formate o texto da notícia.
Canta o chão de terra varrido, 
hibiscos beijam, abraçam o muro
Palmas, juremas, festejam o musgo. 
Galhos espicham, folhas do cajueiro em flor fazem cócegas no telhado. 

Fruto dependurado, 
o doce amarelo roga pra ser degustado.
O vento encanta, envolve a mangueira, remexe a bananeira, 
rege as nuvens, o calor, a pedreira.
Redemoinho de poeira cobre, carrega o anjo de cimento, no desenrolar do véu, dança sobre o jardim de um tempo.
Na varanda, corre o som d’água no pequeno pote de barro...
Sapos rastreiam a fonte, escalam pedra por pedra, derrubam os Reis magos, os bois, os carneiros, que encontram no caminho. 
O anjo desaba, Virgem Maria desmaia, São José se espalha. 
o menino Jesus na manjedoura suporta o peso do anfíbio desajeitado, rugoso, espaçoso, que se acomoda na caminha de mato sobre o recém -nascido, ocupando todo o espaço da estalagem. 
Galo desperta, latidos de festa,
manhã de Natal, cacos coloridos, mimos partidos! 
Sapos de todo formato, agora, fazendo parte 
da decoração, da composição: 
quem invadiu o mato de quem? 
Perto da fonte agitada, a música corre suave em coro, 
ao som dos grilos, dos sapos, dos goles do tinto, e do barulho: como tirar Jesus do sufoco?
 
 
 



Apoio Cultural:



Inauguração Comercial
New Page 1

 

© 2009-2016 Viva Feira - Todos os direitos reservados