menu
-Agenda Cultural
-Restaurantes
-Teatros
-Museus
-Comentários
-Fale conosco
-Política de Privacidade
-Utilidade Pública
-Links Feirense
-Artes Cênicas
-Artes Visuais
-Artesanato
-Bandas
-Literatura
-Músicos
ENTRETENIMENTO
-Cinema
-Arquivo de Eventos
-Festival Vozes da Terra
-Festival Gospel 2010
-Natal na Praça 2010
-Micareta 2011
-Últimos Eventos
-Radio Viva Feira
-TV Viva Feira
-Videos Viva Feira
COLUNISTAS
-Beto Souza
-Cezar Ubaldo
-Dr. Ed Forró
-Emanoel Freitas
-Fabiana Machado
-João Bosco do Nordeste
-Luís Pimentel
-Maiara Santos
-Raymundo Luiz Lopes
-Sandra Campos
-Sandro Penelú
-Silvana Carneiro
 
 
 
A REVOLUÇÃO DE 30


Publicado em: 13/03/2015 - 21:03:12
Fonte: Hugo Navarro / Folha do Norte


    O ano de 1930 começou cheio de apreensões. A “República  Velha” estava falida. Conspirava-se por toda parte. Devastavam  o país a corrupção e inaceitável sistema de privilégios. O ciclo  da revolução brasileira, iniciado em 1922 com “Os Dezoito do Forte”, e ainda não encerrado, eclodiu, violentamente, em 1924, em São Paulo, criando todas as condições para o surgimento de  movimento revolucionário de âmbito nacional. Jovens militares  e políticos descontentes tramaram a revolução, que estourou, sob o comando de Getúlio Vargas, com o assassinato de João Pessoa,
presidente da Paraíba. Em 1937, movido pelo avanço nazifascista  na Europa, Getúlio Vargas, chefe do governo provisório, criou o Estado Novo, fechou o Congresso e os partidos, e impôs ao país
a “polaca”, Constituição que outorgou. Governou, discricionariamente, até 1945.
    Na Bahia a agitação dos anos 30 empolgou grande parte do  povo, principalmente os estudantes, que tumultuaram a capital do Estado. Entre eles estava Renato Santos Silva, que seria, anos depois, um dos mais importantes e queridos membros da classe médica e da sociedade feirense. Ao receber a notícia de que as tropas revolucionárias de Juarez Távora, denominado de “vice-rei
do Norte”, vitoriosas, preparavam-se para invadir a Bahia, foi a Juazeiro, com inúmeros outros colegas de Medicina, para se incorporar às forças da Revolução. Admitido, lenço vermelho ao pescoço, Renato, dias depois, chegava, de trem, com os revolucionários, à Estação da Calçada, esperando entrar em perigosos combates pelo  controle de Salvador, mas encontrou a cidade deserta e silenciosa. Houve apenas um tiro, partido do antigo prédio da Secretaria de Segurança, na Piedade, disparado não se sabe com que intuito. O  interventor, Frederico Costa, refugiado no Rio de Janeiro, tentou passar o governo ao Presidente da Câmara Estadual, Alfredo Mascarenhas, que recusou o encargo, e ao Presidente do Tribunal de Justiça, Des. Pedro Lago, que se escusou dizendo, em ofício,
que o governo da Bahia deixara de existir. Assumiu o governo o senador estadual Wenceslau Guimarães, que fez nomeações inócuas, porque o Major do Exército, Custódio Reis Príncipe Jr., foi
ao Palácio da Aclamação e esclareceu que o governador provisório era o Comandante da VI Região Militar, Coronel Ataliba Osório, que governou por seis dias. Ocupada a cidade, o povo acorreu, em
grande número, ao Palácio do Governo, gritando: Juarez! Juarez! Queria discurso. Lá para as tantas Juarez apareceu, carrancudo como sempre, e disse: “Acabou. Acabou. Vão pra casa, vão trabalhar”. E saiu da janela.
    Surgiu, na oportunidade, em Salvador, movimento denominado de autonomista, destinado a assumir o controle do Estado da Bahia. De pouco valeram os esforços da chefia da República para pacificar a Bahia, que em menos de sete meses teve três interventores: Leopoldo Amaral, Artur Neiva e o General Raymundo Barbosa, até que foi nomeado o Tenente Juracy Magalhães, cuja posse ocorreu em setembro de 1931. Contam, de Artur Neiva, que certo dia lhe apareceu o comandante da Polícia. Queria autorização para abrir os cunhetes, porque estava nas ruas revolta para depor o governo. Imediatamente mandou dizer aos insurretos que aguardassem alguns minutos porque já estava de saída. E saiu. Desde o início de seu governo Juracy enfrentou campanha oposicionista de grandes proporções, com vaias, acintes e até agressões físicas, que o interventor repeliu às vezes energicamente, o que lhe valeu a fama de truculento. Para os autonomistas Juracy era muito jovem,
militar e “estrangeiro”, mas venceu entraves, desarmou os sertões, onde chefes políticos mantinham “exércitos” de jagunços, transformou Salvador e modernizou a economia do Estado. Tornou-se
líder de grande parte do povo baiano, mas encontrou dificuldades.  Uma delas foi a barricada de estudantes, na Escola de Medicina do Terreiro, que terminou com a invasão da Escola, um ferido a bala e a prisão de quatrocentos estudantes. Juracy governou até 1937, quando rompeu com a ditadura do Estado Novo.
    A política da Bahia nem sempre se fez de conversa mole.



Apoio Cultural:



Viva Feira

Higienizar
New Page 1

 

© 2009-2016 Viva Feira - Todos os direitos reservados