menu
-Agenda Cultural
-Restaurantes
-Teatros
-Museus
-Comentários
-Fale conosco
-Política de Privacidade
-Utilidade Pública
-Links Feirense
-Artes Cênicas
-Artes Visuais
-Artesanato
-Bandas
-Literatura
-Músicos
ENTRETENIMENTO
-Cinema
-Arquivo de Eventos
-Festival Vozes da Terra
-Festival Gospel 2010
-Natal na Praça 2010
-Micareta 2011
-Últimos Eventos
-Radio Viva Feira
-TV Viva Feira
-Videos Viva Feira
COLUNISTAS
-Beto Souza
-Cezar Ubaldo
-Emanoel Freitas
-Fabiana Machado
-Luís Pimentel
-Maiara Santos
-Raymundo Luiz Lopes
-Sandra Campos
-Sandro Penelú
-Silvana Carneiro
 
 
 
Nomofobia: psicopatologia contemporânea


Publicado em: 11/02/2019 - 21:02:42
Fonte: Silvana Carneiro


Você já ouviu falar em nomofobia?

Monofobia é uma abreviação do inglês, para no-mobile-phone phobia, ou traduzindo livremente, fobia pela ausência do celular.

Infelizmente, temos enfrentado essa psicopatologia contemporânea devido ao excesso do uso do celular pelos constituintes da sociedade, principalmente as crianças, que são apresentadas aos aparelhos cada vez mais cedo e tornam-se dependentes do seu uso.

Mas como reverter essa situação?

Frequentemente temos nos deparado nos espaços educacionais com frases do tipo: "Meu filho não interage socialmente", "Meu filho não olha para mim", "Meu filho não quer brincar", "Meu filho não faz nada se não tiver o celular nas mãos", "A aprendizagem do meu filho teve uma queda significativa" e tantas outras.

O que podemos fazer para reverter essa situação?

Esse é um questionamento que permeia a vida desses pais, quando percebem o uso excessivo do aparelho celular, mas que facilmente é esquecido pela dificuldade de retirar tal objeto das mãos das crianças.Já que o mesmo contribui para a calma, bem como, para alguns, "substitui" a ausência dos pais que enfrentam uma vida cada vez mais corrida.

Mas afinal, o que pode ser feito?

Amante do mundo da leitura e das literaturas, creio que esta pode ser uma ferramenta que auxilia neste processo de nomofobia. Mas, que para surtir um efeito positivo necessita ser utilizada de forma adequada.

Criar estratégias de leituras, com ambientes acolhedores e convidativos, buscar livros que estejam relacionados aos gostos das crianças e convidá-las para compra de alguns deles, são algumas das dicas que podem  auxiliar nesse processo de "rompimento e luto" gerado pela perda do aparelho celular de forma frequente.

Além das dicas citadas acima, uma família mais presente neste processo de leitura, bem como pais leitores, são peças fundamentais nesse momento. Haja vista que as crianças têm os pais como modelos a serem seguidos.

A leitura é uma ferramenta simples e de fácil acesso que pode contribuir para a reversão deste quadro bem como formar cidadãos críticos, reflexivos e pensantes. O que por consequência refletirá na formação da sociedade.




Apoio Cultural:



Maio Amarelo

Higienizar

Viva Feira
New Page 1

 

© 2009-2016 Viva Feira - Todos os direitos reservados