menu
-Agenda Cultural
-Restaurantes
-Teatros
-Museus
-Comentários
-Fale conosco
-Política de Privacidade
-Utilidade Pública
-Links Feirense
-Artes Cênicas
-Artes Visuais
-Artesanato
-Bandas
-Literatura
-Músicos
ENTRETENIMENTO
-Cinema
-Arquivo de Eventos
-Festival Vozes da Terra
-Festival Gospel 2010
-Natal na Praça 2010
-Micareta 2011
-Últimos Eventos
-Radio Viva Feira
-TV Viva Feira
-Videos Viva Feira
COLUNISTAS
-Beto Souza
-Cezar Ubaldo
-Emanoel Freitas
-Fabiana Machado
-Luís Pimentel
-Maiara Angels
-Raymundo Luiz Lopes
-Sandra Campos
-Sandro Penelú
-Silvana Carneiro
 
 
 
FELIZ ANO NOVO

2018
Publicado em: 12/01/2018 - 18:01:30
Fonte: Luís Pimentel


     A turma se reuniu para uma confraternização de Ano Novo no bar de sempre, nas imediações da faculdade. Estavam em 1968, a ditadura militar afiava os dentes para a guerra. O ano que não terminou teve início feroz e ficou a cada dia pior, mas eles eram amigos, todos muito jovens, cheios de disposição, saúde e projetos. Cinco rapazes e a Sylvinha, a linda Sylvinha, que participava de todos os assuntos – inclusive futebol e mulher – e bebia igual a todos eles, adorava todos eles, não dava para nenhum.
     A turma, em peso, adorava a Sylvinha, mas detestava sua determinação nesse último quesito.
     O sexteto entornou todas, comeu mais ainda, e prometeu repetir a dose dali a 50 anos, se estivessem vivos (claro que estariam! Ninguém pensa que pode morrer um dia quando se tem menos de vinte anos). Cada um falou muito de seus projetos futuros, quem ia exercer a profissão no interior, quem faria doutorado na Europa ou nos Estados Unidos, quem seria o primeiro a ficar rico e, especialmente, quem seria o primeiro a pegar a Sylvinha.
     Os planos dela eram os mais singelos:
     – Quero apenas casar e ter filhos. Mas não será com nenhum de vocês.
     Antes do final daquele ano foi decretado o Ato Institucional nº 5, o pau comeu no Teatro Oficina, a Jovem Guarda fez ouvidos moucos ao som do Iê-iê-iê, Simonal embalou a galera com o limoeiro e o jacarandá, Chico fez o que pode, o cinema novo soltou Deus, o diabo, os dragões da maldada botavam fogo pelas ventas. Aqueles amigos, divididos entre a porra-louquice, casamentos, luta-armada, exílio etc, se perderam na estrada cheia de curvas dos descaminhos.
     Mas se acharam na primeira semana de 2018, cinquenta anos depois, graças a pesquisas nas redes sociais, e voltaram ao velho pé-sujo – agora um boteco de grife metido a besta, mas funcionando no mesmo endereço. Foram se chegando, um a um (até porque alguns já caminhavam com certa dificuldade), até darem conta de que só faltava a Sylvinha.
     Abriram os trabalhos e as garrafas com a seção-confissões: dois entraram e saíram da guerrilha e depois de partidos políticos, um estava na mira da Polícia Federal, outro garantiu que votaria novamente no Lula, dois não podiam mais beber, todos haviam casado e se separado, um ficara rico, nenhum pegara a Sylvinha.   
     Que, aliás, chegou nesse exato momento, mais bonita do que nunca, agora de óculos grossos e cabelos brancos:
    – Feliz Ano Novo, meninos!
     Foi um tal de engolir às pressas remédios para a pressão arterial, pedir nova rodada de chopes (inclusive os dois que não podiam mais beber), entornar vinho na camisa. E tudo recomeçou, pois o destino de tudo é recomeçar. Madrugadinha, começaram a arrumar as trouxas, pois o dia seguinte seria de médicos, fisioterapias, caminhadas moderadas, essas coisas. Um deles pensou em propor novo encontro, para daí a cinquenta anos. Mas não teve coragem.



Apoio Cultural:



Micareta 2018
New Page 1

 

© 2009-2016 Viva Feira - Todos os direitos reservados