menu
-Agenda Cultural
-Restaurantes
-Teatros
-Museus
-Comentários
-Fale conosco
-Política de Privacidade
-Utilidade Pública
-Links Feirense
-Artes Cênicas
-Artes Visuais
-Artesanato
-Bandas
-Literatura
-Músicos
ENTRETENIMENTO
-Cinema
-Arquivo de Eventos
-Festival Vozes da Terra
-Festival Gospel 2010
-Natal na Praça 2010
-Micareta 2011
-Últimos Eventos
-Radio Viva Feira
-TV Viva Feira
-Videos Viva Feira
COLUNISTAS
-Beto Souza
-Cezar Ubaldo
-Emanoel Freitas
-Fabiana Machado
-Luís Pimentel
-Maiara Angels
-Raymundo Luiz Lopes
-Sandra Campos
-Sandro Penelú
-Silvana Carneiro
 
 
 
FTC DISCUTE PREVENÇÃO E ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO AO SUICÍDIO


Publicado em: 19/09/2017 - 10:09:35
Fonte: Release de Madalena de Jesus


    Ouvir. Uma ação simples pode ser a chave para prevenir o suicídio, um gesto de desespero que, ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, normalmente é precedido por muitos pedidos de socorro. O assunto foi tema de uma mesa redonda na FTC Feira de Santana, quarta-feira passada (13), promovida por estudantes do 6º semestre do curso de Enfermagem, com apoio do colegiado. O evento fez parte das ações alusivas ao Setembro Amarelo.
    Profissionais da área de saúde se revezaram para falar sobre as estratégias de enfrentamento ao suicídio. A enfermeira Maiza Sandra Macedo, docente da Instituição e que atua SAMU, explicou as ações desenvolvidas pelo órgão, enquanto a psicóloga Paula Rúbia Oliveira, que também é professora da Faculdade, explanou sobre as estratégias adotadas na UTI. A enfermeira Mariana Lopes Rios e a psicóloga Lívia Caroline Leite, falaram sore as ações realizadas no CAPS III e no NASF.
    “Suicídio ainda é tabu”, afirmou a psicóloga e professora do curso de Psicologia da FTC Roberta Lima Machado, que deu início às discussões apresentando os conceitos e fatores associados à problematização do suicídio na contemporaneidade. Ela defendeu a necessidade de se rever a questão, sem julgamentos e com um olhar apurado para identificar eventuais pedidos de socorro. Para Roberta, o suicídio é “um ato de desespero”.
    Carmem Liêta dos Santos, responsável pela coordenação do evento – que faz parte da disciplina Enfermagem em Saúde Mental – juntamente com Monalisa Oliveira e Silva, explicou que o objetivo foi exatamente desenvolver as competências para o cuidado na prevenção e reabilitação. “Não podemos suprimir essas discussões, pois são fundamentais para as estratégias de enfrentamento e o aconselhamento profissional”, observou. A professora lembrou que há ainda situações jurídicas acerca da situação. “Na declaração e óbito não é registrado o suicídio, mas sim crime externo”, informou.
    “Precisamos, acima de tudo, ouvir as pessoas”, conclamou a professora Hayana Leal Barbosa, coordenadora do Colegiado de Enfermagem, ao saudar os presentes. Ela destacou o comprometimento dos estudantes e professores em debater o tema e, sobretudo, o constante cuidado com o indivíduo. Para a aluna Mirtô Gondim, a questão do suicídio é deprimente, porque nem sempre as pessoas conseguem desabafar. “Precisamos enxergá-las e ouvi-las”, alertou.
    Ao abrir oficialmente o evento, a professora Marcly Amorim Pizzani, diretora adjunta da FTC, citou dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), que indicam a ocorrência de 800 mil homicídios por ano, o que representa uma morte dessa forma a cada 40 segundos. Ela parabenizou os organizadores e destacou a importância de discutir o assunto, lembrando que o suicídio envolve diretamente seis pessoas próximas à vítima.




Apoio Cultural:



Escola Interativa
New Page 1

 

© 2009-2016 Viva Feira - Todos os direitos reservados