menu
-Agenda Cultural
-Restaurantes
-Teatros
-Museus
-Comentários
-Fale conosco
-Política de Privacidade
-Utilidade Pública
-Links Feirense
-Artes Cênicas
-Artes Visuais
-Artesanato
-Bandas
-Literatura
-Músicos
ENTRETENIMENTO
-Cinema
-Arquivo de Eventos
-Festival Vozes da Terra
-Festival Gospel 2010
-Natal na Praça 2010
-Micareta 2011
-Últimos Eventos
-Radio Viva Feira
-TV Viva Feira
-Videos Viva Feira
COLUNISTAS
-Beto Souza
-Cezar Ubaldo
-Emanoel Freitas
-Fabiana Machado
-Luís Pimentel
-Maiara Angels
-Raymundo Luiz Lopes
-Sandra Campos
-Sandro Penelú
-Silvana Carneiro
 
 
 
ODES A GOSTO


Publicado em: 31/07/2017 - 17:07:28
Fonte: Luís Pimentel


     Há quem diga que agosto é mês de desgosto, palavra agourenta, gosto amargo na alma por conta de coincidência de notícias ruins. Não creio nem penso assim. Prefiro encarar o bom e velho agosto como um mês igual a outro qualquer, capaz de nos seus trinta, trinta e um, vinte e nove ou até mesmo vinte e oito dias trazer notícias boas e notícias ruins, escancarar fatos bons, ruins ou nem tanto, começar e passar como passam os dias, a despeito da previsão dos tempos ou dos templos.
***
     Como se não bastasse, agosto ainda é um mês extremamente musical. Vejo na Agenda Música Brasileira que neste mês nasceram, entre tantos outros ídolos, Ney Matogrosso, Orlando Dias, Naná Vasconcelos, Batatinha (“Todo mundo vai ao circo, menos eu / Como pagar ingresso, se não tenho nada? / Fico de fora escutando as gargalhadas...”), Baden Powel, Caetano Veloso, Gordurinha, Fafá de Belém, Ana de Hollanda, Clara Nunes, Monarco, João Donato, Paulinho Tapajós, Dori Caymmi, Edu Lobo e Emilinha Borba.
     Sei, também, que num mês de agosto morreu meu ídolo maior, Luiz Gonzaga. O que prova, simplesmente, que se trata mesmo de um mês como outro qualquer.
***
     E tem mais: foi em agosto que nasceu meu filho. O que o redime de qualquer maldição do calendário.
***
     Finalizo as odes pensando que agosto pode ser o nome de um lugar tão bom, mas tão bom, que faz a gente pensar apenas em coisas boas: filho no colo, mijando quentinho em suas pernas; avó gritando “Pra dentro, menino, senão vai constipar”; irmãos brigando pelo último pedaço de pão; a colega que nunca lhe deu bola sorrindo com os olhos, no último dia de aula: “Vou sentir saudades de você”; médico – mãos com cheiro de álcool em seus cabelos – dizendo “Não chore, menino, sua mãe vai ficar curada”.
***
     Então desculpem janeiros, fevereiros, marços, abris, maios, junhos, julhos, setembros, outubros, novembros e dezembros, mas há um calorzinho especial no frio de agosto. 
     Agostos, sim. Tudo o que não é desgosto.



Apoio Cultural:



Prefeitura
New Page 1

 

© 2009-2016 Viva Feira - Todos os direitos reservados