menu
-Agenda Cultural
-Restaurantes
-Teatros
-Museus
-Comentários
-Fale conosco
-Política de Privacidade
-Utilidade Pública
-Links Feirense
-Artes Cênicas
-Artes Visuais
-Artesanato
-Bandas
-Literatura
-Músicos
ENTRETENIMENTO
-Cinema
-Arquivo de Eventos
-Festival Vozes da Terra
-Festival Gospel 2010
-Natal na Praça 2010
-Micareta 2011
-Últimos Eventos
-Radio Viva Feira
-TV Viva Feira
-Videos Viva Feira
COLUNISTAS
-Beto Souza
-Cezar Ubaldo
-Emanoel Freitas
-Fabiana Machado
-Luís Pimentel
-Maiara Angels
-Raymundo Luiz Lopes
-Sandra Campos
-Sandro Penelú
-Silvana Carneiro
 
 
 
FELIZ ANO NOVO


Publicado em: 11/01/2017 - 01:01:43
Fonte: Luís Pimentel


     A turma de seis, que se encontrava com muita frequência, se reuniu para uma confraternização de Ano Novo no bar de sempre, nas imediações da faculdade. O ano era 1964, estavam todos muito jovens, cheios de disposição, saúde e projetos.
     Eram cinco rapazes e a Sylvinha, a linda Sylvinha, que participava com os amigos de todos os assuntos – inclusive futebol e mulher – e bebia igual a todos eles, adorava todos eles, não dava para nenhum. A turma, em peso, também adorava a Sylvinha, mas detestava sua determinação nesse último quesito.
     O sexteto entornou todas, comeu mais ainda, e prometeu repetir a dose dali a 50 anos se estivessem vivos (claro que estariam! Ninguém pensa que pode morrer um dia quando se está em torno dos dezenove anos). Cada um falou muito de seus projetos futuros, quem ia exercer a profissão no interior, quem faria doutorado na Europa ou nos Estados Unidos, quem seria o primeiro a ficar rico e, especialmente, quem seria o primeiro a pegar a Sylvinha.
     Os planos dela eram os mais singelos:
     – Quero apenas casar e ter filhos. Mas não será com nenhum de vocês.
     Três meses depois daquele encontro, no dia 31 de março, o golpe militar desaguou na ditadura cuja história é hoje conhecida de jovens e de velhos,  desencadeou ações, reações e dilacerações de todos os planos e projetos. Os amigos, divididos entre a porra-louquice, casamento, luta-armada, exílio, etc, se perderam.
     Mas se acharam em 2014, depois de pesquisas nas redes oficiais, e voltaram ao velho pé-sujo – agora um boteco de grife metido a besta, mas funcionando no mesmo endereço. Foram se chegando, um a um (até porque alguns já caminhavam com certa dificuldade), até darem conta de que só faltava a Sylvinha. Abriram os trabalhos e as garrafas com a seção-confissões: três entraram e saíram do PT, dois não podiam mais beber, todos haviam casado e se separado, um ficara rico, nenhum pegara a Sylvinha.   
     Que, aliás, chegou nesse exato momento, mais bonita do que nunca, agora de óculos grossos e cabelos brancos:
    – Feliz Ano Novo, meninos!
     Bonito ver aqueles quase setentões, todos comovidos e derretidos diante do tempo, da amizade e da beleza.



Apoio Cultural:



Micareta 2017
New Page 1

 

© 2009-2016 Viva Feira - Todos os direitos reservados