menu
-Agenda Cultural
-Restaurantes
-Teatros
-Museus
-Comentários
-Fale conosco
-Política de Privacidade
-Utilidade Pública
-Links Feirense
-Artes Cênicas
-Artes Visuais
-Artesanato
-Bandas
-Literatura
-Músicos
ENTRETENIMENTO
-Cinema
-Arquivo de Eventos
-Festival Vozes da Terra
-Festival Gospel 2010
-Natal na Praça 2010
-Micareta 2011
-Últimos Eventos
-Radio Viva Feira
-TV Viva Feira
-Videos Viva Feira
COLUNISTAS
-Beto Souza
-Cezar Ubaldo
-Emanoel Freitas
-Fabiana Machado
-Luís Pimentel
-Maiara Angels
-Raymundo Luiz Lopes
-Sandra Campos
-Sandro Penelú
-Silvana Carneiro
 
 
 
O MUNDO DE VALENTINA

Corpo nu
Publicado em: 28/02/2016 - 23:02:54
Fonte: Fabiana Machado


         Tudo se faz através da ilusão, mas afinal o que é ilusão? É aquela coisa maluca que nos faz acreditar que o mundo inteiro é nosso e que o doce da maçã nunca cessa, porque é filho de Adão e Eva. A ilusão é uma entidade psíquica que nos faz sonhar, nos leva a amar e ser amado, acende a chama do desejo e nos faz viver.

        No âmbito especulativo, tudo na vida é simplesmente uma grande ilusão, mas essa cola da natureza humana que liga as pessoas ao mundo também  tem obcecado muita gente...! Muita coisa se perde e muita coisa se ganha na ilusão. Isso quer dizer que a ilusão fundamenta a espécie de realidade que temos. Assim, eu sou uma ilusão? Inquiriu a si mesma, Valentina.
 
        Já era manhã quando essas ideias e pensamentos viajavam pela cabeça de Valentina, ela ainda não tinha se levantado da cama, pois gostava de acordar e ficar curiando, pela janela larga, a vida dos pássaros que visitavam as flores e as árvores frutíferas do seu jardim, este era um momento místico e sagrado do seu dia, pois lhe inspirava paz, harmonia e descanso.
       
        Nesse regozijo mágico, o sol irrompia todos os obstáculos para cobrir seu corpo nu. Valentina, não costumava usar vestes para dormir, sempre dormia nua, quem a visse dormindo provavelmente a compararia à mais bela das Ninfas, porque ela era muito bonita e sensual.  Qualquer homem ficaria estupefato de desejo por ela.
 
        Ocorre que não se pode cozinhar a vida em fogo lento, assim, Valentina se levanta, se veste com um traje fino e elegante, passa batom vermelho aveludado em seus lábios carnudos, os quais ficam altamente apetitosos, põese de frente para o espelho, aproximase mais do espelho e beija a sua imagem e diz: ─ Quero viver muitas ilusões! 
      
      Empurrada pelo estômago, ela vai à “Poéticas d’Café” que fica próximo a sua casa para tomar um bom café da manhã, chegando lá ela encontra o seu exprofesssor da PósGraduação, do Curso de Design Gráfico, ele é um homem charmoso, seguro de si, confiante, empreendedor, glamoroso e altruísta.
       
        Ela se dirige ao exprofesssor, Dr. Arthur, cumprimentao e ele mal se movia, fitou os olhos nela como se não acreditasse no que estava vendo e  disselhe:
 
─ Valentina, quanto tempo, hein? Dizme como estás?

 ─ Estou bem, Dr. Arthur. E o senhor como vai?

 ─ Ora, por favor, deixemos de formalidades, apenas Arthur. Sentase, sintase à vontade.

         Debruçandose um pouco sobre a mesa, para chegar mais próximo de Valentina, ele não escondia nem disfarsava a alegria de estar ali com ela. Valentina, como uma bela sereia, sabia ganhar a vida no mar. Depois de algum tempo de conversa, então, ela, com olhar penetrante, olha fundo nos olhos dele e com grande doçura perguntalhe:

   ─ Querido Arthur, dizme quais são os vossos desejos?

 ─ Valentina, são tantos que nem em mil primaveras nem em mil outonos, eu realizaria todos eles.

   ─ Mas e você, Valentina, tem algum desejo específico?

  ─ Sabe Arthur, segundo o mito de Safo, quem dá o “pulo do amante” e não morre, curase do desejo pelo objeto desejado para sempre. Assim, eu quero ser a santa a ocupar o vosso altar! Quero ser a rainha a coroarte de carícias, afagos e delírios de prazer pelo tempo que durar o orgasmo. Vamos gozar?

  ─ Levame contigo ─ disse Arthur à Valentina.

          Os dois se deixaram levar pelos impulsos e pelas incitações dos desejos íntimos do momento e foram jazer na casa de Valentina, que ficava ali perto. Valentina era uma mulher muito prazerosa, era um sonho de fêmea, um triunfo. Tanto Arthur quanto Valentina sabiam que o modo mais fácil de alcançar a felicidade é realizando desejos.

           Eles se abraçaram fortemente, beijaramse demoradamente e logo foram se despindo um ao outro. Valentina estava vestida com um  espartilho vermelho, de cetim rendado, ela estava linda parecendo uma ajoia de rubi. Arthur, agarrava Valentina como se ela fosse um bebê, passava a mão sobre o seu corpo de forma suave e leve.

          Eles se amaram em várias posições sexuais exóticas e intensas, até que o orgasmo veio prazerosamente para Arthur, que ejaculou na boca de Valentina. De tão gostoso aquele encontro, Valentina ficou com Arthur na cama mais tempo do que já tinha ficado com qualquer outro homem!

 




Apoio Cultural:



Micareta 2017
New Page 1

 

© 2009-2016 Viva Feira - Todos os direitos reservados